sábado, 5 de fevereiro de 2011

MySpace e Facebook duas redes com destinos diferentes



O Facebook, site criado em 2004, completa sete anos de vida, avaliado em cerca de 50 bilhões de dólares e com mais de 500 milhões de cadastrados. Um dia antes, seu (ex) maior rival, o MySpace, anunciava mais uma vez ao mundo que está com o chapéu na mão. Não é tarde para perguntar: por que as duas redes sociais tiveram destinos tão diferentes? Por que, depois de ser gigante, o MySpace parece estar no chão?
Fundado em 2003 e vendido dois anos depois para a News Corp, do magnata das comunicações Rupert Murdoch, por cerca de 580 milhões de dólares, o MySpace foi um pioneiro no segmento. Chegou a reunir mais de 230 milhões de usuários em todo o mundo. Foi o Facebook do período compreendido entre 2003 e 2006. Grandes empresas como Unilever, Disney, Fox e Pepsi acorreram ao site para alimentar comunidades relacionadas a suas marcas. No entanto, desde 2008, o site perde prestígio continuamente. Ao contrário do Facebook, o MySpace parou no tempo. Ou como resume Danah Boyd, pesquisadora da Universidade de Stanford: “A empresa tem boas propostas, mas não se atualizou e virou coisa de criança”.
Entre 2007 e 2008, tornou-se evidente a mudança de comportamento dos usuário de redes sociais, que passaram a exigir que os sites evoluam na velocidade do seu amadurecimento. A News Corp, contudo, agiu na contramão dessa demanda. À época, o público do MySpace tinha entre 14 e 17 anos e a empresa tratou de investir cada vez mais nesse filão, em lugar de amadurecer com ele.
O Facebook, por outro lado, que nascera focado no público das universidades, tratou de evoluir com o não-universitário que afluiu para sua página. Some-se a esse esforço a decisão de manter, desde 2006, uma API pública, que permitiu que a rede de Zuckerberg ganhasse ainda mais espaço. A partir disso, desenvolvedores independentes passaram a projetar atrações como games para a rede, fazendo receita e atraindo mais usuários. Hoje, só a empresa Zynga, criadora dos games sociais Farmville e Cityville, dois blockbusters, vale mais de 5 bilhões de dólares, cifra superior à da Eletronic Arts, desenvolvedora dos jogos para console de futebol Fifa.
Percebendo que havia água em seu barco, o MySpace decidiu investir na segmentação de rede social aberta, transformou-se em nicho voltado a interessados em música, um centralizador de bandas e fãs. Ali, por exemplo, surgiu, em 2007, a cantora Mallu Magalhães. O site virou trampolim e vitrine para uma música, digamos, menos comercial. À medida que encarnava o perfil musical, o MySpace perdia adeptos, mais interessados em “conectar pessoas” – não por acaso, lema do rival Facebook. Já era tarde.
Recentemente, o MySpace tentou em um golpe ganhar sobrevida, lançando uma nova versão do site, com novo foco em música e entretenimento, uma tentativa de retomar o prestígio no mercado que ajudou a criar. Não conseguiu, nesta semana, veio a público dizer que procura um comprador. Enquanto Zuckerberg sopra uma velinha, Murdoch pode derramar uma lágrima.

2 comentários:

  1. O Myspace vive no Passado por não viver as inovações do futuro. Enquanto o Facebook está no Cinema, Cria Plugins para Blogs e Websites, o seu criador Mark Zuckerberg é o Homem do Ano, sai na Capa da Time e é um dos jovens (27 ou 28 anos não me lembro), o Myspace não se importa em promover sua Rede Social. Eu creio que o Myspace tem tudo para voltar à ser uma grande Rede Social, mas para isso se concretizar vai ter que criar e inovar muito.

    ResponderExcluir
  2. Uma empresa quand abre as "pernas" se ve em uma situação de desespero, dae oq fazer???

    Uma Adm, isso uma Administração com pulsos firmes e determinantes!

    Mudar eh algo q fazemos diariamente, se querem nosso inteire-se irão ter de atuar e aprender a viver com seus seguidores.

    Isso eh dificil porem não inpossivel!

    My Space, tenho conta mas acho q nunca usei mesmo!

    ResponderExcluir

Publicidade

Veja no Ocioso